espetáculos

Perto do Coração Selvagem  2004
espetáculo-duo de estreia do grupo que aborda o feminino como expressão na arte e na vida, por meio dos textos de  Virginia Woolf de Um teto Todo Seu, de Simone de Beauvoir de Segundo Sexo e de Clarice Lispector Perto do Coração Selvagem que nomeia o espetáculo.
Direção e Coreografia: Laura Virgínia/ Elenco: Cleani Marques Calazans e Laura Virgínia/ Trilha Original: Marcus Lemos e Paulo Virgílio/ Figurinos e maquiagem: Andrea Patzsch
espetáculo na íntegra assista clicando aqui
veja as fotos de Perto do Coração Selvagem clicando aqui

Campo de Flores  2005
Espetáculo inspirado em poemas de Carlos Drummond de Andrade cuja temática se inspiram na flor, no vento e na água em oposição a miséria humana, a rudeza, elementos regulares na poesia de Drummond. Essa foi a motivação para criação da narrativa de movimentos de Campo de Flores.
Coreografia e Direção: Laura Virgínia/  Elenco: Andréia Tang, Cleani Marques Calazans, Laura Virgínia e Mariana Pimentel. Assistência de Direção: Lívia Bennet/ Cenografia e Figurinos: Janaína André/ Iluminação: Ana Borges
veja as fotos de Campo de Flores clicando aqui

Tu não te moves de ti  2006
O Margaridas convida nesse espetáculo a uma viagem ao nosso universo interior/inferior/superior/animalesco/grotesco. Traduzido da obra homônima de Hilda Hilst, autora que oferece uma série de imagens inspiradoras para dança.
Coreografia e Direção: Laura Virgínia/ Elenco: Cleani Marques Calazans e Laura Virgínia/ Bailarina Convidada: Micheline Santiago/ Coreografia Colaborativa: Cleani Marques Calazans, Laura Virgínia, Lívia Frazão e Micheline Santiago/ Assistência de Direção: Lívia Frazão/ Figurinos e Maquiagem: Flavia Amadeu/ Trilha Sonora: Marcus Lemos e Paulo Virgílio/ Iluminação: Marcelo Augusto
veja as fotos de Tu não te moves de ti clicando aqui

Rainha  2007
Em sua quarta montagem, a inspiração para Rainha vem de poemas de escritoras brasileiras e estrangeiras sobre a condição da mulher negra na atualidade. São diferentes olhares dessa realidade, tanto questões políticas e sociais, como também o lirismo encontrado em sua escrita.Dentre os textos selecionados para compor o espetáculo e inspirar suas cenas encontramos material das escritoras brasileiras: Carolina Maria de Jesus e Conceição Evaristo (Minas Gerais); Cristiane Sobral e Tatiana (Brasília); Elisa Lucinda (Espírito Santo); e Andréia Lisboa e Negra Li (São Paulo). Os poemas das artistas norte-americanas são de Toni Morrison (Ohio); Alice Walker (Geórgia); Audre Lord (New York) e Maya Angelou (Missouri). A trilha sonora reforça esse universo feminino negro utilizando as canções Four women e  Images de Nina Simone; Tarata interpretada por Clementina de Jesus; e Ilu ayê na voz de Clara Nunes.
Direção: Laura Virgínia/ Coreografia: Édi Oliveira/ Dançarinas e colaboradoras coreógraficas: Cleani Marques Calazans e Laura Virgínia/ Cenário, Design Gráfico, Figurino e Maquiagem: Flávia Amadeu/ Iluminação: Marcelo Augusto Santana/ Produção Executiva: Lina Frazão e Lívia Frazão/ Assessoria de Imprensa: Liana Gesteira
veja as fotos de Rainhaclicando aqui
A coreografia “Taratá”, música de Clementina de Jesus: assista aqui

Samambaia  2009
A montagem, Samambaia, a companhia usou como temática os poemas da escritora estadunidense Elizabeth Bishop que viveu no Brasil durante 15 anos onde escreveu a parte mais significativa de sua obra. Além dos poemas a diretora e coreógrafa, Laura Virginia, se utiliza de músicas da bossa nova consagradas e executadas ao vivo.
O espetáculo foi criado para ser executado em Parques e Jardins remetendo ao universo poético da música e da literatura dos anos 60.
Samambaia é dirigido, produzido, coreografado e interpretado por Laura Virgínia que dança junto com Cleani Marques Calazans e Sergio Marabocaiala.
A música é de direção de Val Nobre que executa, junto com Macarrão e Cleani Marques Calazans, clássicos da bossa nova como: Chega de Saudade, Estrada do Sol e Joana Francesa.
Coreografia e Direção: Laura Virgínia/ Elenco: Cleani Marques Calazans, Laura Virgínia e Sergio Marabocaiala/ Arranjos e Execução: Val Nobre/ Percussão: Macarrão/ Fotografia: Alexandre de Nascimento/ Carol Barboza, Luísa Lemos, Ricardo Padue/ Câmera: Cícero Bezerra/ Poemas de Elizabeth Bishop: Uma Arte, Questões de Viagem, Canção do Tempo das Chuvas, Chapéus Trocados.

espetáculo na íntegra assista aqui
veja as fotos de Samambaia clicando aqui


Buquê  2011
O Margaridas Dança estreou em outubro de 2011, o espetáculo Buquê, baseado em livro homônimo da coreógrafa, diretora, bailarina e escritora, Laura Virgínia, que mescla diversas linguagens artísticas: dança, literatura e música. Em Buquê, o público se depara com quatro momentos trazidos originalmente do livro para o palco. “São aromas poéticos representados no espetáculo por estados energéticos distintos. Cores, poemas, música, coreografia, figurinos transmitem emoções mescladas com a palavra propriamente dita. Recital dinâmico dos poemas reunidos”, explica Laura Virgínia. Como é característica da companhia usar tanto da obra literária quanto da biografia como inspiração na criação dos espetáculos, em Buquê não é diferente a própria diretora se atualiza em cena numa retrospectiva autobiográfica utilizando estéticas presentes na sua carreira: balé clássico, moderno, contemporâneo e até jazz. “A mistura divertida desses elementos foi elaborada afim de criar uma estética própria – uma dança-kitsch”, diz a diretora.  A ideia do espetáculo surgiu em comemorar os 20 de carreira da coreógrafa Laura Virgínia, num espetáculo onde mostrasse essa característica multimídia inquieta e apaixonada da diretora.
Elenco: Beneto Luna Reis, Cleani Marques Calazans, Júlio Cesar Campos e Laura Virgínia/ Direção e Coreografia: Laura Virgínia/ Pesquisa Coreográfica: elenco/ Assistente de Direção: Janaína Bizinoto/ Treinamento Corporal: Lívia Bennet/ Treinamento energético: Pedro Sangeon/ Figurino: Andrea Patzsch/ Cenografia: Tereza Ribas/ Diretor Técnico e Projeto de Iluminação: Marcelo Augusto/ Design Gráfico: Erika Pacheco/ Fotografia: Patrick Grosner/ Trilha Sonora: Laura Virgínia/ Assessoria de Imprensa: Tato Comunicação / Jaque Dias/ Estagiárias: Beatriz Miranda e Luísa Lemos

veja as fotos de Buquê clicando aqui
assista um trecho do espetáculo clicando aqui

Este slideshow necessita de JavaScript.

Vidro e Alumínio  2014
Vidro e Alumínio é o sétimo espetáculo da Cia Margaridas, de Brasília, que esse ano comemora 10 anos de atividades.
A companhia tem por tradição adaptar literatura para suas montagens, e a inspiração para este trabalho foi o romance “Nas Tuas Mãos”, da autora portuguesa Inês Pedrosa. O espetáculo aborda, pela ótica feminina, três temas universais: o individuo afeta o social como o social afeta o indivíduo – a repressão da expressão; o paradoxo morte e vida; e a contemporaneidade feminina.
A ambientação sonora de Phil Jones representa um significativo diferencial para as coreografias assinadas e interpretadas pela diretora Laura Virgínia, acompanhada das dançarinas Ana Vaz e Cleani Marques Calazans. Destaque, ainda, para a iluminação de Marcelo Augusto e os figurinos de Andrea Patzsch.
Coreógrafa e Diretora: Laura VirgíniaAssistente de Direção / Ensaiador: Beneto Luna Reis/ Elenco: Cleani Mc Marques Calazans, Laura Virgínia e Ana Vaz/ Diretor Técnico e Iluminador: Marcelo Augusto Santana/ Cenografia: Gisel Carriconde Azevedo/ Trilha Sonora: Phil Jones/ Projeto Sonoro: Phil Jones/ Figurinista: Andrea Patzsch/ Produção: Janaína Bizinoto/ Assistente de Produção: Andreia Tang e Luísa Lemos/ Professora de Pilates: Andréia Tang/ Designer Gráfico: Erika Pacheco/ Registro em Fotografia: Patrick Grosner/ Registro em Video: Luísa Lemos/ Assessoria de Imprensa: Marcelo Carota

Veja as fotos de Vidro e Alumínio clicando aqui

Este slideshow necessita de JavaScript.


Ritmo de Forma Silenciosa  2015
Margaridas Companhia de Dança apresenta o espetáculo “Ritmo de Forma Silenciosa” que é a oitava obra do repertório da companhia. Margaridas é de Brasília desde 2004. O processo de criação das obras de Margaridas se fundamentam na tradução da literatura para a dança. Autores como Jack Kerouac, Langston Hughes serão traduzidos para os gestos de dança. Já que a temática, para este trabalho, foram os direitos e liberdades civis e o movimento cultural e artístico do Jazz. As músicas escolhidas provocam um significativo diferencial para as coreografias, o público poderá se encantar e se emocionar com Nina Simone, Serge Gainsbourg, além de ver e ouvir o maior ícone do Jazz John Coltrane na sua obra mais aclamada e conhecida “My favorite things”. O espetáculo foi criado por três coreógrafos de consolidada carreira artística: Cleani Marques Calazans, Édi Oliveira e Laura Virgínia. Cada um focou sua visão no tema, dividindo o espetáculo em três partes distintas – Cleani trilhou os paradoxos liberdade/ restrição; apatia/ vibração; direito de ir e vir/ movimentos cerceados; Édi mergulhou nas sonoridades e texturas do jazz e na liberdade/ prisão da expressão e Laura, que também é diretora e dança o espetáculo se inspirou em três mulheres e suas ações revolucionárias: Rosa Parks, Angela Davis e Nina Simone – “o sistema sucumbirá (já dizia Marx), mas só quando alcançarmos nossas liberdades privadas e públicas” diz Laura Virgínia. Destaque, ainda, para quem dança ao lado das coreógrafas Cleani Marques Calazans e Laura Virgínia, os dançarinos Andi Vargas e Júlio César Campos, A iluminação é de Marcelo Augusto Santana que é diretor técnico do espetáculo.
Direção: Laura Virgínia / Coreógrafos: Cleani Marques Calazans, Édi Oliveira e Laura Virgínia/ Assistente de Direção / Ensaiador: Beneto Luna Reis / Elenco: Andi Vargas, Cleani Marques Calazans, Júlio César Campos e Laura Virgínia/ Diretor Técnico e Iluminador: Marcelo Augusto Santana/ Cenografia: Luísa Lemos/ Figurinos: Édi Oliveira e Laura Virgínia/ Produção: Cleani Marques Calazans, Jaqueline Marques, Luísa Lemos,/ Nityama Macrini/ Designer Gráfico: Fabiano Aruaruna/ Registro em Fotografia: Anderson Corcino e Patrick Grosner / Registro em Video: Luísa Lemos / Assessoria de Imprensa: Casa de Redação / Trilha Sonora: John Coltrane “My favorite things”; Nina Simone “Ain’t got no I got Life” , “Feeling Good”, “Missisipi Goddam”, “My baby just cares for me”, Serge Gainsbourg “Wake me at 5”, Django Reinhart “Minor Swing”, Charles Mingus ” Goodbye Pork Pie Hat”/ Textos utilizados: Jack Kerouac “American Haikus”, Langston Hughes “Segunda em Si bemol”

Veja as fotos de Ritmo de Forma Silenciosa, clicando aqui
Assista ao Teaser de Ritmo de Forma Silenciosa, clicando aqui
Mais um Teaser clique aqui

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

2 respostas para “espetáculos”

  1. Não sabia a respeito deste trabalho. Gostaria de conhecer, achei a ideia de voces ousada, inteligente e espalhando arte de um modo surpreendente. Quero saber mais. abraços felizes. dorilea

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s